quarta-feira, 29 de outubro de 2014

ELEIÇÕES – Perdemos nós


MURAL – Queixas & Denúncias


ANÁLISE – Helder, um líder emergente, avalia Corrêa

Roberto Corrêa: bom desempenho fortaleceu Helder.

        “Enfrentando a máquina estatal e seus derivativos de uma agressiva escuderia midiática, Helder conseguiu totalizar 1,721 milhões de votos, anunciando com isso o surgimento de uma inconteste liderança, pronta a assumir e ocupar o cenário político paraense nas próximas décadas.” Esta é a avaliação que o cientista político Roberto Corrêa faz da sucessão estadual do Pará, em um balanço das eleições de 2014, na qual o governador Simão Jatene, do PSDB, obteve a reeleição, com 51,9% dos votos válidos, contra 48,1% de Helder Barbalho, do PMDB. Helder é filho e herdeiro político do senador e ex-governador Jader Barbalho, o morubixaba da legenda no Estado e a mais longeva liderança política da história do Pará.
        Professor de carreira da UFPA, a Universidade Federal do Pará, Roberto Corrêa é um dos mais respeitados intelectuais da sua geração. Ele notabilizou-se não só pela sagacidade intelectual, como pela elegância com que administra o contraditório, na esteira de uma proverbial bonomia. Essa bonomia, porém, jamais o impediu de externar suas convicções, ainda que respeitando a opinião de quem dele eventualmente discorde, elogiável virtude a qual se dá o nome de coragem moral.

        Em entrevista ao Blog do Barata, Corrêa manifesta a convicção pétrea de que Helder Barbalho revela-se uma liderança emergente, com luz própria, a despeito da personalidade solar do pai e patrono político, Jader Barbalho. “Algo que decorre não apenas do prestígio do pai, mas e muito em função das habilidades de Helder em fazer-se respeitar pela capacidade política de articulação”, assinala. “Ou seja: Helder Barbalho é ele e suas circunstâncias, que incluem a história do pai, Jader Barbalho, e da mãe, deputada federal Elcione Barbalho”, salienta.

ANÁLISE – As parcas opções de Jatene

        Sobre o discurso de tom rancoroso de Simão Jatene, mesmo depois de ter a reeleição ungida pelas urnas, Roberto Corrêa entende que deverá ser convenientemente deletado, diante dos desdobramentos políticos da reeleição da presidente Dilma Rousseff. “Os desdobramentos dessa cena de partida ainda encontram-se influenciados pelas mágoas da campanha. Há que esperar o surgimento de novas composições, que haverão de surgir, tanto em nível nacional, como local”, enfatiza.

        Seja como for, Corrêa entende que Jatene é refém das circunstâncias. “Jatene tem dificuldade de descentralizar o comando do governo e, com isso, terá dificuldade de favorecer o surgimento de uma liderança capaz disputar o próximo governo. Nomes como o de Zenaldo Coutinho e de Manoel Pioneiro podem aparecer sem que tenham necessariamente substantivo apoio de Simão Jatene”, analisa. “O PMDB, no entanto, tem esse nome que deverá continuar avançando nas preferências do eleitorado. O nome de Helder Barbalho”, acrescenta.

ANÁLISE – O uso da máquina e o poder econômico

        Levanto a hipótese de que o uso da máquina, em articulação com o poder econômico, fez a diferença no dia da eleição”, declara Roberto Corrêa, ao ser indagado sobre as causas do desfecho da eleição para o governo do Pará, com a vitória do governador Simão Jatene (PSDB), reeleito, sobre Helder Barbalho (PMDB). “Na minha apreciação, não houve falha no desempenho de Helder, tanto no programa eleitoral gratuito como nos debates. Helder mostrou segurança e seu desempenho foi positivo”, sublinhou Corrêa, em entrevista ao Blog do Barata, que segue abaixo.

        A derrota de Helder Barbalho, o candidato ao governo do Pará pelo PMDB, representa o fim do ciclo do seu pai e patrono político, o senador e ex-governador Jader Barbalho, hoje com 70 anos e que perpetuou seu nome como a mais longeva liderança política da história do Pará?

        Não vejo apenas pelo ângulo da longevidade política de Jáder Barbalho, algo importante para a dominância regional peemedebista, mas e principalmente pelos efeitos diretos dessa longevidade, em associação com as qualidades performáticas de Helder Barbalho que, em resposta a uma eleição polarizada, teve sua liderança reconhecida e demonstrada, como bem atesta a enorme votação conquistada tanto no primeiro como no segundo turno destas, que foram as eleições mais concorridas da história recente da política paraense. Enfrentando a máquina estatal e seus derivativos de uma agressiva escuderia midiática, Helder conseguiu totalizar 1,721 milhão de votos, anunciando com isso o surgimento de uma inconteste liderança, pronta a assumir e ocupar o cenário político paraense nas próximas décadas.

        Como é praxe em políticos de perfil solar, Jader Barbalho jamais admitiu sombras no PMDB, partido que no Pará se confunde com o seu nome, inibindo a emergência de lideranças com luz própria. Helder Barbalho teria tempo para ganhar vida própria e habilitar-se a comandar o PMDB, sem estar a reboque do pai e patrono, como ocorreu até aqui?

        Tendo a ver esse aspecto particular da luminosidade política do líder maior, como algo comum a todas as agremiações partidárias fortes. Partidos fortes como PMDB, PSDB e PT, em razão da busca por maximização de voto, tendem a se tornar parecidos naquilo que chamamos de coalizão de líderes. Seja Jader Barbalho e Temer, no PMDB; Serra, FHC e Alkmin, no PSDB ; ou Lula, no PT. A luminosidade dessas lideranças não as tornam de uma hora para outra caudilhos partidários, mas homens necessários para a busca do consenso nas disputas internas – aquilo que os ingleses chamam de desavenças no “Jardim Secreto”. A verdade é que tais lideranças, para avançarem nas decisões intra e interpartidárias, necessárias indispensáveis às vitórias eleitorais, terão sempre de contar com o apoio de lideranças territorialmente dispersas, sobretudo aquelas que no exercício de mandatos de representação (deputados e senadores) ou em funções executivas (prefeitos), usufruam de ativos de poder. Jader Barbalho, se é líder inconteste no PMDB, é porque trabalhou sempre com essa orientação estratégica. Por outro lado, é da capacidade de articulação de Jader que Helder Barbalho aparece como projeto viável de sua sucessão no PMDB. Algo que decorre não apenas do prestígio do pai, mas, e muito, em função das habilidades de Helder em fazer-se respeitar pela capacidade política de articulação. Ou seja: Helder Barbalho é ele e suas circunstâncias, que incluem a história do pai, Jader Barbalho, e da mãe, deputada federal Elcione Barbalho.

        Para além da escandalosa utilização da máquina administrativa estadual pelo governador tucano Simão Jatene, Helder Barbalho foi vítima do caráter plebiscitário que acaba ganhando qualquer eleição majoritária na qual se envolva, direta ou indiretamente, Jader Barbalho?

        Eleições plebiscitárias são inevitáveis em decorrência do avanço da democracia, em ambiente institucional ainda dominado pelo uso abusivo da máquina pública. No Para esse padrão de campanha ficou muito evidente no segundo turno quando, na base do tudo ou nada, a maquina pública escolheu os bairros pobres de Belém e os municípios pobres do Marajó para reverter as tendências de voto que no primeiro turno eram francamente favoráveis a Helder Barbalho. A figura de Jader Barbalho, mesmo não sendo candidato, foi utilizada na campanha para desorientação do eleitor, que se apresentava utilizados para enfraquecer essa tendência no segundo turno.

        Até onde o estigma de quinta-essência da corrupção, que aderiu de forma aparentemente indelével a Jader Barbalho, conspirou contra Helder Barbalho, nesta eleição para o governo do Pará? Ou faltou ao candidato peemedebista uma biografia política mais alentada, mais consistente, de forma a não ser tomado como um mero preposto do pai e patrono político?

        Acredito que os ataques a Jáder Barbalho, como patrono da candidatura Helder, tenham sido usados com essa intenção, mas a principal causa da vitória de Jatene no segundo turno tem a ver mais com as ações deliberadas do poder econômico. Prova disso é que no primeiro turno Helder Barbalho teve mais votos que Jatene, em que pese a propaganda contra Jader ter sido utilizada na mesma intensidade.

        O marketing eleitoral de Helder Barbalho foi, aparentemente, perfeito, ao manter na defensiva o adversário, mais preocupado em responder às denúncias de malfeitos feitas no horário político do candidato peemedebista, que pessoalmente deteve-se em um discurso propositivo, embora cobrando promessas não cumpridas por Simão Jatene. No que Helder Barbalho falhou, ou Simão Jatene soube melhor explorar, para reverter um cenário profundamente adverso e acabar reeleito, em apenas 21 dias?

        Na minha apreciação, não houve falha no desempenho de Helder, tanto no programa eleitoral gratuito como nos debates. Helder mostrou segurança e seu desempenho foi positivo. Levanto a hipótese de que o uso da máquina, em articulação com o poder econômico, fez a diferença no dia da eleição.

        Simão Jatene ganha um terceiro mandato como governador com o Pará politicamente dividido quase meio a meio, com adversários que chegam ao fim da campanha como um pote até aqui de mágoas. Sob esse cenário, o que se pode esperar do novo mandato de Simão Jatene, considerando que, para o bem ou para o mal, a política no Pará passa, necessariamente, por Jader Barbalho?

        Os desdobramentos dessa cena de partida ainda encontram-se influenciados pelas mágoas da campanha. Há que esperar o surgimento de novas composições que haverão de surgir tanto em nível nacional como local. No entanto, uma coisa é certa: Jatene tem dificuldade de descentralizar o comando do governo e, com isso, terá dificuldade de favorecer o surgimento de uma liderança capaz disputar o próximo governo. Nomes como o de Zenaldo Coutinho e de Manoel Pioneiro podem aparecer sem que tenham necessariamente substantivo apoio de Simão Jatene. O PMDB, no entanto, tem esse nome que deverá continuar avançando nas preferências do eleitorado. O nome de Helder Barbalho.

        E no plano nacional, como deve se comportar o governo Dilma Rousseff, considerando que o senador Aécio Neves sai da disputa eleitoral cacifado por uma expressiva votação e uma minguada diferença em relação a candidata petista, com o mérito adicional de ter resgatado a importância histórica de Fernando Henrique Cardoso, como o presidente da estabilidade econômica, que tornou possível Lula ter sido o presidente da inclusão social?


        Não resta dúvida de que Aécio Neves é e será o grande nome do PSDB nas próximas eleições. Dilma e o PT deverão buscar uma nova imagem de governo, e para tanto haverá de enfrentar desafios normais a um partido como o PT, hoje desacreditado em suas postulações morais. Os escândalos de corrupção do passado recente serão, a um só tempo, objeto de desgaste do governo e objeto de argumentação em defesa do plebiscito que busque uma reforma política capaz de reorientar o quadro institucional brasileiro em direção a uma democracia moderna, que tenha como princípio básico o fortalecimento dos partidos e a redução da corrupção. Sem reforma política, nada muda. Disso sabem a situação e a oposição.

ANÁLISE – Para Canto, Jader e PMDB seguem fortes

Américo Canto: análise no day after da sucessão estadual no Pará.

        “O PMDB elegeu, em 2012, 27 prefeitos nos 144 municípios do Estado do Pará, fora os municípios onde houve aliança com outros partidos. Nesta eleição de 2014 o PMDB fez três deputados federais e oito deputados estaduais. Esse fato demonstra que o partido é o segundo em número de parlamentares eleitos, além de Jader Barbalho, que detêm mandato de senador da República, em uma aliança com o governo Federal. Esse quadro é um sinalizador de que o partido vai bem e corrobora para a manutenção de Jader no controle do mesmo. Para ser mais claro, não visualizo Jader Barbalho afastado do controle do PMBD, a não ser por algum motivo que extrapole questões políticas.”

        Esta é a leitura que o sociólogo Américo Canto faz do resultado das eleições de 2014 no Pará, que culminaram com a reeleição do governador Simão Jatene, do PSDB, na disputa com o peemedebista Helder Barbalho, filho e herdeiro político do senador e ex-governador Jader Barbalho, o morubixaba do PMDB paraense, que é também a mais longevas liderança política da história do Estado. Canto é o diretor-geral do Acertar, instituto de pesquisas de Belém, notabilizado pela expressiva margem de acertos de suas sondagens sobre intenção de voto.

ANÁLISE – Máquina administrativa foi decisiva

        Como o cientista político Roberto Corrêa, o sociólogo Américo Canto credita a vitória de Simão Jatene ao uso escandaloso da máquina administrativa. “Não resta dúvida que a máquina administrativa foi determinante - tanto a do governo estadual, como dos governos municipais de Belém e Ananindeua - para a vitória de Jatene, principalmente na região metropolitana de Belém. A estratégia foi à mesma do primeiro turno e Jatene só fez ampliar sua votação na região metropolitana. Da eleição do primeiro turno para o segundo turno, Jatene ampliou sua votação em 100.284 votos, enquanto que Helder teve uma regressão de 12.171 votos. No primeiro turno Helder obteve 485.090 votos e no segundo turno sua votação caiu para 472.919. Esse fator foi crucial para o candidato Helder na região metropolitana”, sublinha o diretor-geral do Instituto Acertar.

        Canto não acredita que a associação ao nome do pai e patrono político, Jader Barbalho, tenha conspirado contra Helder Barbalho, o candidato derrotado a governador pelo PMDB. “Talvez a falta de consistência nas denúncias, a desconstrução, a pecha de mentiroso, tenha sido mais importante, mais forte, do que o fato de Helder ser filho de Jader Barbalho. Se fosse assim, Helder não teria sido vitorioso no primeiro turno. Se fosse assim, Ana Julia não teria sido eleita governadora em 2006, com o apoio de Jader Barbalho, e Jader não teria os 582.100 votos para senador na região metropolitana, como teve, apesar de ter sido superado por Flexa Ribeiro, que obteve 624.510 votos”, acentua.

ANÁLISE – Erros nas pesquisas e falta de mobilização

         Na interpretação de Américo Canto, equívocos nas pesquisas que balizaram a campanha e a falta de mobilização de setores da coligação do candidato, sobretudo na região metropolitana de Belém, explicam o revés eleitoral amargado por Helder Barbalho. “A candidatura de Helder ganhou maior gordura em função da inércia do governo Jatene e parece que, em princípio, sua candidatura era uma preparação para 2018, mas com os acontecimentos acabou ganhando volume e poderia ter sido vitoriosa, se não houvesse erros de estratégia política, principalmente quando teve como referência pesquisas que não condizem com a realidade política eleitoral do Estado”, assinala. “É claro que emergem outros fatores, além das pesquisas, e um deles está relacionado à falta, de forma mais consistente, de participação daqueles que faziam parte da aliança política, principalmente na região metropolitana de Belém”, acrescenta Américo Canto, na entrevista abaixo, concedida ao Blog do Barata.

         A derrota de Helder Barbalho, o candidato ao governo do Pará pelo PMDB, representa o fim do ciclo do seu pai e patrono político, o senador e ex-governador Jader Barbalho, hoje com 70 anos e que perpetuou seu nome como a mais longeva liderança política da história do Pará?

        O PMDB elegeu, em 2012, 27 prefeitos nos 144 municípios do Estado do Pará, fora os municípios onde houve aliança com outros partidos. Nesta eleição de 2014 o PMDB fez três deputados federais e oito deputados estaduais. Esse fato demonstra que o partido é o segundo em número de parlamentares eleitos, além de Jader Barbalho, que detêm mandato de senador da República, em uma aliança com o governo Federal. Esse quadro é um sinalizador de que o partido vai bem e corrobora para a manutenção de Jader no controle do mesmo. Para ser mais claro, não visualizo Jader Barbalho afastado do controle do PMBD, a não ser por algum motivo que extrapole questões políticas.

         Como é praxe em políticos de perfil solar, Jader Barbalho jamais admitiu sombras no PMDB, partido que no Pará se confunde com o seu nome, inibindo a emergência de lideranças com luz própria. Helder Barbalho teria tempo para ganhar vida própria e habilitar-se a comandar o PMDB, sem estar a reboque do pai e patrono, como ocorreu até aqui?

        A princípio não vejo a possibilidade de ocorrer alguma cisão dentro do partido em razão da liderança de qualquer um dos integrantes do partido, muito menos a de Helder Barbalho. A candidatura de Helder ganhou maior gordura em função da inércia do governo Jatene e parece que, em princípio, sua candidatura era uma preparação para 2018, mas com os acontecimentos acabou ganhando volume e poderia ter sido vitoriosa, se não houvesse erros de estratégia política, principalmente quando teve como referência pesquisas que não condizem com a realidade política eleitoral do Estado. É claro que emergem outros fatores, além das pesquisas, e um deles está relacionado à falta, de forma mais consistente, de participação daqueles que faziam parte da aliança política, principalmente na região metropolitana de Belém.

         Para além da escandalosa utilização da máquina administrativa estadual pelo governador tucano Simão Jatene, Helder Barbalho foi vítima do caráter plebiscitário que acaba ganhando qualquer eleição majoritária na qual se envolva, direta ou indiretamente, Jader Barbalho?

        Nos parece que Jatene ficou mais na defensiva que Helder, pelo menos até a penúltima semana de campanha. Por várias vezes o programa de Jatene foi utilizado para rebater as denúncias de escândalos que envolveram seus filhos, dentre outros. Talvez a falta de consistência nas denúncias, a desconstrução, a pecha de mentiroso, tenha sido mais importante, mais forte, do que o fato de Helder ser filho de Jader Barbalho. Se fosse assim, Helder não teria sido vitorioso no primeiro turno. Se fosse assim, Ana Julia não teria sido eleita governadora em 2006 com o apoio de Jader Barbalho, e Jader não teria os 582.100 votos para senador na região metropolitana como teve, apesar de ter sido superado por Flexa Ribeiro, que obteve 624.510 votos. Não resta dúvida que a máquina administrativa foi determinante - tanto a do governo estadual, como dos governos municipais de Belém e Ananindeua - para a vitória de Jatene, principalmente na região metropolitana de Belém. A estratégia foi à mesma do primeiro turno e Jatene só fez ampliar sua votação na região metropolitana. Da eleição do primeiro turno para o segundo turno, Jatene ampliou sua votação em 100.284 votos, enquanto que Helder teve uma regressão de 12.171 votos. No primeiro turno Helder obteve 485.090 votos e no segundo turno sua votação caiu para 472.919. Esse fator foi crucial para o candidato Helder na região metropolitana.

         Até onde o estigma de quinta-essência da corrupção, que aderiu de forma aparentemente indelével a Jader Barbalho, conspirou contra Helder Barbalho, nesta eleição para o governo do Pará? Ou faltou ao candidato peemedebista uma biografia política mais alentada, mais consistente, de forma a não ser tomado como um mero preposto do pai e patrono político?

        Esta campanha não diferente de campanhas anteriores foi recheada de denuncismos. Nesta campanha, a polarização foi entre blocos econômicos de comunicação, e esse fato, fez se acirrar ainda mais os ânimos pelos interesses defendidos por cada um dos grupos. Os veículos de comunicação da família Barbalho defendendo Helder e os veículos de comunicação da família Maiorana em defesa de Jatene. Os debates que ocorreram entre os candidatos a governador do Estado, foram de golpes baixos, de denuncias e pouco conteúdo propositivo. Algumas vezes soava como cinismo pelo despropósito como se dirigiam um ao outro. As pesquisas que realizamos após o debate identificavam que muitas pessoas não estavam antenadas com o debate e foi unânime entre os eleitores que assistiram usar a expressão “baixaria”. Não acredito que tenha sido a pecha de corrupto que Jader carrega o causador da derrota de Helder, mas sim sua estratégia eleitoral do segundo turno. A campanha de Jatene ganhou mais consistência nas últimas duas semanas antes da eleição e essa estratégia foi propositiva na região metropolitana. O que falávamos em entrevista anterior, sobre o fato do candidato Jatene colar seu nome ao do candidato Aécio, surtiu efeito positivo.

         O marketing eleitoral de Helder Barbalho foi, aparentemente, perfeito, ao manter na defensiva o adversário, mais preocupado em responder às denúncias de malfeitos feitas no horário político do candidato peemedebista, que pessoalmente deteve-se em um discurso propositivo, embora cobrando promessas não cumpridas por Simão Jatene. No que Helder Barbalho falhou, ou Simão Jatene soube melhor explorar, para reverter um cenário profundamente adverso e acabar reeleito, em apenas 21 dias?

        Em entrevista anterior falei que o segundo turno é uma nova eleição, apesar de poucos eleitores mudarem o voto no segundo turno, assim como, comentei sobre a participação, ou não, dos eleitos e não eleitos deputados federais e estaduais, seria um ponto importante para ambos os candidatos. Parece que a coligação e o grupo político de Simão Jatene foram mais consistentes e participativos no processo eleitoral do segundo turno. Falávamos também nos votos voláteis, os votos de Marina Silva que acabaram migrando para Aécio e as pesquisas de Helder foram incapazes de identificar esse fato. Do primeiro turno para o segundo a candidata Dilma Rousseff teve um incremento de 63.133 votos no Estado do Pará, o que corresponde a um crescimento de 3%, enquanto seu opositor obteve incremento de 502.610 votos, crescimento que atingiu 47,5%, e parcela desses votos foi transferido para Jatene e vice-versa.

         Simão Jatene ganha um terceiro mandato como governador com o Pará politicamente dividido quase meio a meio, com adversários que chegam ao fim da campanha como um pote até aqui de mágoas. Sob esse cenário, o que se pode esperar do novo mandato de Simão Jatene, considerando que, para o bem ou para o mal, a política no Pará passa, necessariamente, por Jader Barbalho?

        Observando a correlação de forças no cenário da Assembleia Legislativa, houve uma renovação de 61% dos deputados estaduais e o PMDB ficou com a maior bancada, composta de oito deputados. O PSDB permaneceu com seis deputados. A maior perda foi para o PT, que tinha oito e ficou somente com três. A correlação de forças entre situação e oposição está em equilíbrio na Assembleia Legislativa e esse quadro, representado pelos maiores partidos locais, demonstra que deverá haver negociações e as mágoas de campanha deverão ser deixadas de lado, para se tratar de assuntos de interesse da sociedade paraense, apesar de termos visto recentemente, em entrevista concedida pelo governador, onde pareceu que o mesmo ainda está em campanha eleitoral.  Não podemos esquecer também que dos três senadores do Estado, dois deles são de partidos de oposição ao do atual governador do Estado do Pará. Portanto, para a boa governabilidade, será preciso muita negociação.

         E no plano nacional, como deve se comportar o governo Dilma Rousseff, considerando que o senador Aécio Neves sai da disputa eleitoral cacifado por uma expressiva votação e uma minguada diferença em relação a candidata petista, com o mérito adicional de ter resgatado a importância histórica de Fernando Henrique Cardoso, como o presidente da estabilidade econômica, que tornou possível Lula ter sido o presidente da inclusão social?

        O governo Dilma, diferente do governo local, permanece com a maioria no Congresso Nacional. Entretanto, como os analistas em nível nacional vem comentando, a oposição saiu desta eleição mais fortalecida do que em qualquer eleição anterior. A própria presidente, em seu discurso como reeleita, já começou a sinalizar a necessidade de união e diálogo pelo bem do País.


segunda-feira, 27 de outubro de 2014

PESQUISAS – A pergunta que não foi feita


MURAL – Queixas & Denúncias


PRÊMIO FIEPA – Votação popular começou hoje



        Começou nesta segunda-feira, 27, estendendo-se até 27 de novembro, a votação popular, via internet, do Prêmio Sistema Fiepa de Jornalista 2014, para o qual fui indicado na categoria Melhores Profissionais do Ano – Blogueiro.
        A votação pode ser feita pelo link http://www.premiosistemafiepa.com.br/ . Basta informar o CPF e escolher aquele que considera o melhor de cada categoria.

        A primeira fase da votação, realizada de 17 a 23 de outubro e da qual participaram 50 profissionais de comunicação e representantes da indústria que formaram a comissão de seleção, elegeu os cinco finalistas de cada uma das 13 categorias.

PRÊMIO FIEPA – Breve perfil do blog



        Democratizar a informação, na perspectiva de que as versões são livres, mas os fatos são sagrados. Esta é a proposta basilar do Blog do Barata, que dá ênfase ao jornalismo político e surge em 2005, como Pauta Livre, para em 2006 assumir a atual identidade.
        O Blog do Barata é um dos quatro blogs do Pará citados no Mapeamento da Blogosfera Brasileira, um levantamento feito pelos alunos de jornalismo da Faculdade Cásper Líbero, tradicional instituição de ensino superior de São Paulo. No total foram catalogados  100 blogs  e do Pará, além do Blog do Barata, são citados ainda os blogs Hupomnemata, Beatles College e Pelas Ruas de Belém. Leia mais nos links abaixo:






JATENE – Discurso de quem cultiva o revanchismo

Jatene (à dir.): discurso rancoroso, de quem cultiva o revanchismo.

        No rastro de sua proverbial recalcitrância em descer do palanque, como é próprio de quem pouco tem a efetivamente exibir em matéria de realizações, o governador reeleito do Pará, Simão Jatene (PSDB), surpreendeu apenas, na entrevista concedida ao Jornal Liberal – 1ª Edição, da TV Liberal, nesta segunda-feira, 27, por manter um discurso virulento, que sinaliza para um perigoso revanchismo. Trata-se de uma postura tanto mais deletéria, porque ele teve a reeleição ungida pelas urnas por uma minguada diferença de votos em relação ao seu principal adversário, Helder Barbalho (PMDB). Concluida a apuração, Jatene obteve 51,92% dos votos, contra 48,8% de Helder, com o agravante deste ter como pai e patrono político o senador e ex-governador Jader Barbalho, o morubixaba do PMDB no Estado, pelo qual necessariamente passa, para o bem, ou para o mal, a política no Pará.
        A política, é verdade, não dispensa a dignidade, a despeito de ser, intrinsecamente, a arte da conciliação e da tolerância. Como inexistem, a rigor, diferenças abissais entre Simão Jatene e Jader Barbalho, tanto assim que estavam juntos e misturados até passado recente. A parceria só foi esfarinhada quando o PMDB optou por sair com candidatura própria ao governo. Logo, a repulsa aos aliados da véspera, por parte da tucanalha, a banda podre do PSDB, é tão verdadeira quanto uísque paraguaio e deriva, tão-somente, de motivações menores, peculiares da política paroquial.
        Jader Barbalho e o PMDB estão onde sempre estiveram, e disso Simão Jatene e seus comparsas sempre souberam. Tanto em 2002, como em 2010, quando Jatene buscou e obteve o apoio de Jader para eleger-se governador. Não foi Jader Barbalho e seu filho e pretenso herdeiro político, Helder Barbalho, que deram causa à inépcia administrativa pela qual se notabilizou Simão Jatene, no comando do governo do Pará. E nem a Jader Barbalho se pode responsabilizar pelas suspeitas de corrupção que envolvem Izabela Jatene e a relação promíscua que mantém com o governo de Beto Jatene, os ilustres e subitamente prósperos rebentos de Jatene.
        Sob a égide de instituições democráticas consolidadas, caberia ao MPE, o Ministério Público Estadual, investigar as denúncias de falcatruas envolvendo parentes e contraparentes do governador. E ao TJ, o Tribunal de Justiça do Estado, julgar, com a mais absoluta isenção, as denúncias eventualmente oferecidas. Lamentavelmente, no Pará, temos um TJ submisso aos inquilinos do poder, e um MPE acintosamente atrelado ao governo Simão Jatene, no rastro da postura servil, de boy qualificado, de Marcos Antônio Ferreira das Neves, o procurador-geral de Justiça licenciado, que postula a recondução ao cargo.
        Soa patético, aviltante, um governador reeleito, do alto do seu cargo, descer ao pântano das mesquinharias e cultivar o revanchismo, tão próprios da velha política que, no seu discurso de campanha, Simão Jatene trombeteava execrar, embora dela derive. Mas o que esperar de alguém que abre mão de postular a reeleição, como fez Simão Jatene em 2006, porque acordara com o ex-governador tucano Almir Gabriel abdicar de sair candidato, se o seu patrono de então desejasse candidatar-se a um terceiro mandato como governador? O arranjo, diga-se, foi tornado público pelo próprio Simão Jatene e é revelador do seu apreço pelo Estado e pelo respeito que devota ao eleitorado, desdenhosamente tratados como uma mera moeda de troca.

        Este é o Pará da tucanalha, a banda podre do PSDB, da qual é ícone Simão Jatene.

ELEIÇÕES – O IVeiga e a farsa das pesquisas



        Em princípio, nada contra as pesquisas eleitorais. Da mesma forma como, em tese, soam palatáveis os eventuais equívocos, desde que circunstanciais, episódicos, como conseqüência do caráter volátil que pode assumir a opção do eleitor, na esteira do emocionalismo das campanhas, principalmente quando polarizadas. O problema emerge, e ganha contornos algo burlescos, quando os erros de prognósticos são sistemáticos, configurando as sondagens sobre intenção de voto como acintosas farsas, com a finalidade precípua de manipular o eleitorado. Como tornou-se tradição no Pará, sob a leniência do TRE, o Tribunal Regional Eleitoral, que se não dispõe, pelo menos deveria dispor de profissionais com competência para promover uma varredura capaz de inibir a farsa das pesquisas de aluguel.

        Um eloqüente exemplo desse logro é o IVeiga, o Instituto Veiga Consultoria e Pesquisa, engajado na campanha de Helder Barbalho, o candidato derrotado ao governo do Pará pelo PMDB. Suas sondagens foram tomadas como parâmetro da disputa eleitoral pelo Diário do Pará, o jornal do grupo de comunicação da família do senador e ex-governador Jader Barbalho, o morubixaba do PMDB no Pará e do qual é filho e pretenso herdeiro político Helder Barbalho. Na última pesquisa antes do primeiro turno das eleições de 2014, a pesquisa do IVeiga dava Helder como eleito, sem a necessidade de segundo turno, o que por pouco não ocorre, é verdade. Na derradeira sondagem antes do segundo turno, o instituto prognosticou a vitória de Helder, com 56,2% dos votos válidos. Concluida a apuração, o governador Simão Jatene, do PSDB, foi reeleito com 51,2% dos votos, contra 48,08% de Helder Barbalho. A projeção de Edir Veiga Siqueira, o dentista que também se pretende cientista político e comanda o IVeiga, não só ludibriou os leitores do Diário do Pará, como presumivelmente induziu seu candidato a alguns erros no encaminhamento da campanha. Esse ilusionismo talvez explique a postura algo arrogante, nos últimos dias da campanha, de Helder Barbalho e sua claque de áulicos.

ELEIÇÕES – Doxa e BMP a serviço da tucanalha



        Na vala comum das pesquisas de aluguel fazem companhia a IVeiga, a serviço dos Barbalho, a Doxa Comunicação Integrada e a BMP, a Bureau de Marketing e Pesquisa, estas de estreitos vínculos com a Griffo, a agência de Orly Bezerra, o marketeiro-mor da tucanalha, notoriamente inculto, porém sagaz, um mestre das espertezas. Salta aos olhos, no cotejo entre as sondagens dos três institutos, as divergências abissalmente distintas. Uma evidência de que a preocupação precípua era contemplar as expectativas dos candidatos a serviços dos quais se encontravam os institutos.

        Não por acaso, o IVeiga foi adotado pelo Diário do Pará, o jornal dos Barbalho. E das pesquisas sobre intenção de voto do Doxa e do BMP lançou mão O Liberal, o principal jornal do grupo de comunicação da família Maiorana, inimiga figadal do senador e ex-governador Jader Barbalho. O jornal adotou a candidatura de Simão Jatene e fez uma oposição implacável a Helder Barbalho, inclusive lançando mão na edição de domingo, 26, de uma pesquisa da Doxa Comunicação Integrada, favorável ao candidato tucano, feita logo após o primeiro turno. Na mesma edição, O Liberal tratou com discrição a pesquisa do Ibope encomendada pela TV Liberal, afiliada da Rede Globo de Televisão, que registrava um empate técnico entre Jatene e Helder.

ELEIÇÕES – Custos abaixo dos preços de mercado

        Há um aspecto revelador da parca credibilidade da maioria das pesquisas de intenção de voto que supostamente mensuraram as inclinações do eleitorado do Pará nas eleições deste ano. IVeiga, Doxa e BMP declaram ter realizado as pesquisas com recursos próprios, sem que tenham porte para tanto, mesmo a custos significativamente abaixo dos preços de mercado. “Isso não existe!”, sentencia uma fonte do Blog do Barata, com conhecimento de causa.
        Nas eleições deste ano, a IVeiga desponta como o instituto que mais realizou sondagens sobre intenção de voto, em um total de 13 pesquisas, supostamente com recursos próprios, a um custo total de R$ 195 mil. O custo de cada uma das pesquisas foi orçado em R$ 15 mil, valor irrisório para uma sondagem de abrangência estadual, que costuma oscilar entre R$ 45 mil a R$ 55 mil, a preços de mercado, conforme relatam profissionais de competência, probidade e experiência reconhecidas, que atuam no mercado.
        A Doxa registrou nove pesquisas, também supostamente feitas com recursos próprios, cujo custo total foi de R$ 270 mil. O custo médio de cada uma das sondagens feitas pela Doxa foi de R$ 30 mil, o dobro do custo unitário das pesquisas do IVeiga.

        O BMP, o Bureau de Marketing e Pesquisa, de Renato Conduru, servidor público estadual e cujo instituto tem como cliente a Griffo, de Orly Bezerra, realizou seis sondagens, a um custo total de R$ 330 mil. O custo de cada uma das seis pesquisas foi de R$ 55 mil.

ELEIÇÕES – A pergunta que não quer calar

        “Qual a razão de divergências tão abissais entre pesquisas, se elas têm um mesmo alvo e utilizam metodologias semelhantes, embora diferindo quanto ao número de entrevistados e municípios pesquisados?” Esta é a pergunta que não quer calar, formulada por um respeitado profissional do mercado, abrigado no off, para evitar constrangimentos. “Nessa guerra de números, quem perde é o eleitor que não sabe em quem acreditar”, observa. “No final, é possível que aqueles com maior cara-de-pau ainda venham dizer que se aproximaram dos resultados oficiais e que seus levantamentos estavam corretos. Tem aqueles que procuraram ter referência imediata as pesquisas publicadas pelo Ibope, chegando a se gabar que se aproximaram dos resultados deste”, acrescenta.

        Esse mesmo profissional, indagado a respeito, concorda que nenhum dos institutos acima citados – IVeiga, Doxa Comunicação Integrada, e BMP, a Bureau de Marketing e Pesquisa – tem capital suficiente para bancar, com recursos próprios, tantas pesquisas sobre intenção de voto de abrangência estadual. “Esse tipo de coisa põe em xeque não só as pesquisas, como os profissionais encarregados de executá-las”, admite o profissional ouvido pelo Blog do Barata. “É dinheiro demais para empresas regionais”, acentua, lembrando que, somados, os custos das pesquisas feitas por IVeiga, Doxa e BMP, supostamente com recursos próprios, chegam a quase R$ 1 milhão. Isso excluído o Alvo, outro instituto de pesquisas do Pará, cujas sondagens, também supostamente realizadas com recursos próprios, foram impugnadas pela Justiça Eleitoral.

ELEIÇÕES – Engodo prejudica profissionais sérios

Edir Veiga Siqueira: exemplo da farsa das pesquisas manipuladas.
        Há um consenso, entre os profissionais sérios que atuam no mercado de pesquisas de opinião, segundo o qual os institutos atrelados a partidos políticos e candidatos conspiram contra a credibilidade das sondagens sobre intenção de voto. A própria balela das pesquisas supostamente feitas com recursos próprios, principalmente sob custos incompatíveis com os preços de mercado, é reveladora da falta de credibilidade dessas sondagens. “Repetindo a máxima célebre, não existe almoço gratuito”, ironiza uma fonte do Blog do Barata. E salienta, cáustico: “A primeira vítima desse embuste, desse estelionato eleitoral, é o eleitor”

        Como não poderia deixar de ser, porque recente demais para ser esquecido, figura como exemplo eloqüente de farsa das pesquisas de intenção de voto no Pará, Edir Veiga Siqueira, o dentista que se pretende cientista social e ostenta uma turbulenta vida pregressa. Na derradeira pesquisa de intenção de voto, que serviu de manchete para a edição do Diário do Pará de domingo, 26, ele apontava a vitória de Helder Barbalho, o candidato derrotado do PMDB na disputa pelo governo do Estado, com uma vantagem de mais de 12 pontos percentuais. “Esse tipo de gente prejudica as empresas que tem nas pesquisas sua fonte de renda, que não aparecem no mercado somente em anos eleitorais. Infelizmente, a Justiça Eleitoral se revelou incapaz de inibir a divulgação de pesquisas fraudadas”, lamenta outra fonte do Blog do Barata.

domingo, 26 de outubro de 2014

ELEIÇÕES – A hora do desespero


MURAL – Queixas & Denúncias


ELEIÇÕES – Empate técnico entre Helder e Jatene

Jatene e Helder: em pé de igualdade, segundo a pesquisa do Ibope.

        Pesquisa divulgada pelo Ibope neste sábado, 25, aponta um empate técnico entre os candidatos ao governo do Pará, Helder Barbalho, do PMDB, e Simão Jatene, do PSDB, sem que nenhum dos dois exiba, sequer, uma vantagem numérica sobre o adversário. Segundo a pesquisa, encomendada pela TV Liberal, afiliada da Rede Globo de Televisão, ambos os candidatos exibem 50% das intenções de voto, considerando os votos válidos, que excluem os percentuais de branco, nulo e indecisos
        A sondagem do Ibope ouviu 812 eleitores, em 42 municípios do Estado, de 21 a 23 de outubro. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais, ou para menos. O nível de confiança é de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Pará sob registro nº PA-00054/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral sob protocolo no BR-01182/2014.

        Por exibir um histórico de recorrentes tentativas de manipulação do eleitorado, na esteira da terceirização de suas pesquisas no Pará, convém receber com reservas os números do Ibope.

ELEIÇÕES – A duvidosa credibilidade do IVeiga



        Pelo simples fato do instituto estar a serviço da campanha de Helder Barbalho, o candidato a governador do Pará pelo PMDB, convém também cultivar a prudência diante da mais recente pesquisa eleitoral do IVeiga. O instituto é de credibilidade duvidosa, para dizer o mínimo, até pela turbulenta vida pregressa de quem o comanda – Edir Veiga Siqueira, o dentista com veleidades a cientista social, defenestrado do PT, nos anos 80 do século passado, sob a suspeita de falcatruas.
        A pesquisa do IVeiga, que serve de manchete para a edição deste domingo do Diário do Pará, o jornal do grupo de comunicação dos Barbalho, revela que hoje Helder Barbalho ostenta 56,2 % das intenções de voto, contra 43,7% de Simão Jatene, considerados os votos válidos, que excluem os percentuais de brancos, nulos e indecisos. Isso significa que o candidato peemedebista abriu uma vantagem de 12,5 pontos percentuais em relação ao seu adversário.
        Na pesquisa estimulada, na qual o eleitor precisa lembrar do nome dos candidatos, a sondagem do IVeiga registra que Helder Barbalho tem 49,8% das intenções de voto, contra 38,7% de Jatene. Os votos brancos e nulos somam 6% e 5,6% não souberam ou não responderam. Já na pesquisa espontânea – quando o eleitor precisa lembrar do nome dos candidatos -, Helder ostenta 48,8% das intenções de voto, contra 38,3% de Jatene. Os brancos e nulos somaram 5,8% e os eleitores que não souberam ou não opinaram chegaram a 7,2%.
        No primeiro turno, o IVeiga descartou a possibilidade de segundo turno. E anabolizou a vantagem de Helder Barbalho sobre Simão Jatene. Feita a apuração, as urnas não ratificaram os prognósticos do IVeiga, ainda que o Diário do Pará, o jornal do grupo de comunicação da família Barbalho, insista em afirmar o contrário, na clara intenção de valorizar as projeções favoráveis a Helder.


ELEIÇÕES – Os recorrentes embustes de O Liberal



        Em sua edição deste domingo, 26, O Liberal, o principal jornal do grupo de comunicação da família Maiorana, induz o eleitor ao equívoco, ao lançar mão de uma pesquisa feita entre 13 e 16 de outubro, que conferia uma vantagem de 7,4 pontos percentuais a favor de Simão Jatene (PSDB), candidato a reeleição. A família Maiorana é inimiga figadal do senador e ex-governador Jader Barbalho, do qual é filho e herdeiro político Helder Barbalho, o candidato do PMDB ao governo do Pará.

        Apurados os votos do primeiro turno, todas as pesquisas endossadas por O Liberal, apontando a vitória do governador tucano Simão Jatene, foram desmoralizadas pelos resultados das urnas.

ELEIÇÕES – Empate técnico, aponta o Datafolha



        Pesquisa Datafolha, cujas entrevistas foram realizadas sexta-feira, 24, e sábado, 25, revela um empate técnico no segundo turno da eleição presidencial, disputada pela presidente Dilma Rousseff (PT) e pelo senador Aécio Neves (PSDB).

        Na conta dos votos válidos - que exclui brancos, nulos e indecisos -, Dilma ostenta 52% das intenções de voto, contra 48% de Aécio. Trata-se de um empate técnico, no limite máximo da margem de erro, que é de dois pontos percentuais, para mais, ou para menos.

ELEIÇÕES – Dilma em vantagem, afirma o Ibope

        Já o Ibope aponta uma  vantagem a favor de Dilma Rousseff (PT) sobre Aécio Neves (PSDB).

        De acordo com o Ibope, Dilma ostenta 53% das intenções de voto, contra 47% de Aécio.

ELEIÇÕES – O desafio de Aécio Neves




        Postagem feita pelo jornalista Augusto Nunes no seu blog, ainda na noite do último dia 5, que perdura atual e, por isso, convida a uma reflexão:

Blog do Augusto Nunes
05/10/2014
às 20:06 \ Direto ao Ponto


        Aécio Neves começou a cruzar a fronteira do segundo turno no momento em que ignorou o palavrório de marqueteiros poltrões, assumiu o comando da própria campanha, declarou guerra à corrupção impune e se transformou no candidato do Brasil indignado com o clube dos cafajestes no poder. Os 35 milhões de brasileiros que votaram no candidato do PSDB desmontaram o embuste forjado por Lula e seus cúmplices para desfigurar a paisagem eleitoral enfim escancarada pelas urnas.  Confiantes no triunfo da mentira, Dilma e seus devotos estão com cara de Felipão depois daquele jogo contra a Alemanha.

        Além do Getúlio Vargas de picadeiro e da protetora de bandidos que finge combater, os 34% obtidos por Aécio derrotaram os blogueiros canalhas, os parteiros de boatos infamantes, os assassinos da honra alheia, os comerciantes da base alugada, os colunistas sabujos, os analistas de araque, os milicianos da esgotosfera e os fabricantes de profecias encomendadas. Ao longo desse duelo com a tribo dos sem-vergonha, o senador mineiro também ministrou uma aula de tenacidade, coragem e altivez aos aliados pusilânimes e eleitores que se vergam a malandragens tramadas por qualquer Maquiavel de chanchada.

        Candidatos confrontados com tantos reveses sucessivos costumam sucumbir ao desânimo. Aécio não parou de sonhar com a arrancada improvável ─ e sobreviveu à epidemia de descrença. Depois do índice que alcançou neste 5 de outubro, a credibilidade dos institutos de pesquisa não é superior à de uma bola de cristal. Mas os ibopes da vida são duros na queda, e os videntes de acampamento cigano não se emendam. Logo estarão de volta, prontos para ampliar o acervo de equívocos bisonhos e/ou suspeitíssimos, sempre amplificados com bandas e fanfarras  por jornais e emissoras de televisão.


        Quem continuar caindo no conto da pesquisa tem o dever de acreditar que existem duendes, que Dilma é uma sumidade como oradora e que Lula está escrevendo um livro. Anotem: nas usinas de porcentagens, a candidata a mais um mandato vencerá a disputa do segundo turno do primeiro ao último minuto da campanha. Só será derrotada por Aécio no dia da eleição.

sábado, 25 de outubro de 2014

ELEIÇÕES – Ai se eu te pego!



MURAL – Queixas & Denúncias


ELEIÇÕES – Aécio ultrapassa Dilma, segundo CNT



        A Confederação Nacional do Trasnporte divulgou neste sábado a 126ª Pesquisa CNT/MDA que mostra Aécio Neves (PSDB) numericamente à frente de Dilma Rousseff (PT). Segundo a pesquisa, cuja margem de erro é de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos, com nível de confiança de 95%, Aécio inverteu a curva de queda e voltou a subir. Em termos de votos válidos – que exclui os percentuais de branco, nulo e indecisos –, Aécio tem 50,3%, contra 49,7% de Dilma Rousseff. Na pesquisa estimulada, Aécio tem 45,3% e Dilma 44,7%. Na pesquisa espontânea, Aécio tem 44,4% e Dilma 43, 6%.
        A informação é do UOL e, para a agência de notícias da entidade, o debate da Rede Globo pode ter definido as eleições, "com grandes possibilidades de Aécio ser eleito presidente da República neste domingo".

        A pesquisa foi realizada 23 e 24 de outubro de 2014 e registrada no TSE, o Tribunal Superior Eleitoral, sob o número BR - 01199/2014. Foram entrevistadas 2.002 pessoas de 137 municípios de 25 unidades da Federação.

ELEIÇÕES – Os números da pesquisa

        Confira os números da 126ª Pesquisa CNT/MDA :

INTENÇÃO DE VOTO PARA PRESIDENTE (ESPONTÂNEA)

Aécio Neves (PSDB) - 44,4%

Dilma Rousseff (PT) - 43,3%

INTENÇÃO DE VOTO PARA PRESIDENTE (ESTIMULADA)

Aécio Neves (PSDB) – 45,3%

Dilma Rousseff (PT) – 44,7%

VOTOS VÁLIDOS

(percentual calculado excluindo os percentuais de branco, nulo e indecisos)

Aécio Neves (PSDB) – 50,3%

Dilma Rousseff (PT) – 49,7%

REJEIÇÃO

Aécio Neves (PSDB) – 42,8%

Dilma Rousseff (PT) – 43,3%


ELEIÇÕES – O mea culpa do MPE

Socorro Mendo: mea culpa público, diante da lambança.

        Em nota de esclarecimento, a procuradora de Justiça Maria do Socorro Martins Carvalho Mendo, subprocuradora-geral de Justiça, no exercício do cargo de procurador-geral de Justiça, faz um mea culpa, em nome da instituição, diante da inclusão, no portal do MPE, o Ministério Público do Estado do Pará, de notícia publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, o Estadão, sob o título “Saúde deixou de usar R$131 bilhões entre 2003 e 2014, afirma CFM”. A notícia revela que o ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff, que postula a reeleição,deixaram de investir R$ 131 bilhões na saúde, entre 2003 e 2014.

        Na nota de esclarecimento, Maria do Socorro Martins Carvalho Mendo sublinha que, ao tomar conhecimento da reprodução da matéria, mandou retirá-la no portal do MPE. E acentua ter advertido a Assessoria de Imprensa do Ministério Público do Estado do Pará “que se abstenha de reproduzir matérias jornalísticas no sítio oficial do MPPA, que possam de alguma forma, no atual período eleitoral vivenciado no país, causar quaisquer outras interpretações diversas”.

ELEIÇÕES – Diário do Pará deflagra imbróglio

        A lambança foi denunciada pelo “Repórter Diário”, a nobre coluna do jornal Diário do Pará, que interpretou a reprodução da matéria no portal do MPE como uma evidência da intenção em beneficiar Aécio Neves e Simão Jatene, os candidatos do PSDB a presidente e governador do Pará, respectivamente. “O Ministério Público do Estado rasgou a Lei Eleitoral e vestiu a camisa amarela na reta final da campanha para beneficiar os tucanos Aécio Neves e Simão Jatene”, disparou a coluna “Repórter Diário”, na edição desta última sexta-feira, 24, do Diário do Pará, o jornal do grupo de comunicação da família do senador e ex-governador Jader Barbalho, cujo filho e herdeiro político, Helder Barbalho, é candidato a governador do Pará pelo PMDB. O partido tem como um dos seus líderes o vice-presidente, Michel Temer, que postula a reeleição, na chapa da presidente Dilma Rousseff.

        “Ontem, às 10h20, o site do MPE, que é patrimônio público, entrou de corpo e alma na campanha do PSDB e publicou matéria do jornal ‘O Estado de S. Paulo’ alardeando que as gestões do ex-presidente Lula e da presidente Dilma deixaram de investir R$ 131 bilhões na saúde entre 2003 e 2014”, disparou a notícia de abertura do “Repórter Diário”. “Graciosa no site, a matéria nada tem a ver com o MPE e só turbina o balanço da ONG ‘Contas Abertas’”, acrescenta a notícia.

ELEIÇÕES – Leniência alimenta suspeita

        Segundo a coluna “Repórter Diário”, a leniência do MPE, em relação a malfeitos do governador tucano Simão Jatene, alimenta as suspeitas de favorecimento aos candidatos do PSDB, por parte do Ministério Público Estadual. “A campanha amarela do MP se evidencia principalmente pela subserviência com que trata a montanha de indícios de falcatruas que incriminam o candidato tucano, como a denúncia de favorecimento à rede de postos de combustíveis do filho do governador”, dispara, em tom ácido, a nobre coluna do Diário do Pará.

        “No caso popularmente conhecido como Betocard, bastaria ao Ministério Público auditar as contas do governo para provar a ‘preferência’ dos motoristas dos veículos oficiais pelo posto do rapaz. Até parece que os carros do governo são ensinados e vão direto para lá”, arremata, irônico, o “Repórter Diário”.

ELEIÇÕES – A versão oficial

        Segue abaixo a transcrição, na íntegra, da nota de esclarecimento assinada por Maria do Socorro Martins Carvalho Mendo, subprocuradora-geral de Justiça, no exercício do cargo de procurador-geral de Justiça. A nota também pode ser acessada pelo seguinte link;


NOTA DE ESCLARECIMENTO

        Em conformidade a nota veiculada na coluna Repórter Diário, nesta sexta (24), nesse conceituado jornal "Diário do Pará", o Ministério Público do Estado do Pará tem a esclarecer o seguinte:

        A Procuradoria Geral de Justiça por meio da Subprocuradora-Geral de Justiça, área Jurídico-Institucional, e no exercício, da chefia do Ministério Público do Estado do Pará, Maria do Socorro Martins Carvalho Mendo, comunica que ao identificar na manhã do dia (24) introdução de matéria jornalística veiculada no jornal “O Estado de São Paulo”, matéria essa republicada no sítio oficial do MPPA, determinou:

1 – Retirada imediata da matéria “Saúde deixou de usar R$131 bilhões entre 2003 e 2014, afirma CFM” do sítio oficial do MPPA;

2 – Advertir a Assessoria de imprensa do MPPA que se abstenha de reproduzir matérias jornalísticas no sítio oficial do MPPA, que possam de alguma forma, no atual período eleitoral vivenciado no país, causar quaisquer outras interpretações diversas.

        Esclarece ainda a Excelentíssima Senhora Subprocuradora, que o MPPA, como definição constitucional, é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbido-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis de conformidade com o ordenamento jurídico pátrio.

                      Maria do Socorro Martins Carvalho Mendo


Subprocuradora-geral de Justiça, no exercício, da chefia da Procuradoria Geral de Justiça

ELEIÇÕES – Omissões tornam episódio nebuloso

        A nota de esclarecimento de Maria do Socorro Martins Carvalho Mendo, subprocuradora-geral de Justiça, no exercício do cargo de procurador-geral de Justiça soa algo graciosa, pelo que omite. Ela passa ao largo, por exemplo, de identificar quem eventualmente, determinou a reprodução da notícia do Estadão no portal do MPE.
        Como não há precedente de algo semelhante, e também porque a Assessoria de Imprensa do MPE é constituída por profissionais de competência e experiência reconhecidas, a priori soa inverossímil a possibilidade de que, por sua conta e risco, algum jornalista tenha, solitariamente, decidido incluir, no portal da instituição, a reprodução da notícia veiculada pelo Estadão. Mas, se tomarmos essa possibilidade como factível, para efeito de raciocínio – e apenas para efeito de raciocínio! - , é de se presumir a punição do hipotético responsável por tamanha sandice, do que não é informado, por dona Maria do Socorro Martins Carvalho Mendo, o distinto contribuinte, que é quem paga a instituição.

        E que não se alegue tratar-se de uma questão de consumo interno do MPE. O episódio é tão grave, mas tão grave, que a lambança não pode ser administrada intramuros. Para o zelo da imagem da instituição, é imperioso tratar o imbróglio com a mais absoluta transparência, para que não soe a um acerto entre bandidos.