segunda-feira, 20 de março de 2017

MPE - Prestígio de Santino, desgaste de Neves e insatisfação pavimentaram escolha de Valente

Valente: sólido currículo, no qual soma competência e probidade, o...
...que teria facilitado a articulação de Santino, tido como seu avalista.

Decano do colégio de procuradores, o ex-procurador-geral de Justiça Manoel Santino Nascimento Júnior, de estreitos laços com o PSDB, é apontado como o principal avalista de Gilberto Valente Martins, ungido pelo governador tucano Simão Jatene o primeiro promotor de Justiça a tornar-se procurador-geral de Justiça. O segundo mais votado da lista tríplice, com 143 votos - na primeira eleição aberta a candidaturas de promotores de Justiça, até então restritas a procuradores de Justiça -, a escolha de Valente representou uma derrota pessoal do atual procurador-geral de Justiça, Marcos Antônio Ferreira das Neves. Também conhecido como Napoleão de Hospício, por seu mandonismo, Neves foi protagonista de uma gestão pontuada por suspeitas de corrupção, recorrentes denúncias de patrimonialismo e ácidas críticas por atrelar escandalosamente o MPE, o Ministério Público Estadual, às conveniências do governo Simão Jatene. O candidato de Neves, cuja campanha foi anabolizada pelo acintoso uso da máquina administrativa, foi o promotor de Justiça César Bechara Nader Mattar Júnior, o mais votado da lista tríplice, com 241 votos, embora sob restrições de parcelas de seus pares e dos promotores de Justiça, na esteira de uma trajetória opaca no MPE.
Segundo fontes do próprio Ministério Público, o prestígio de Santino junto ao tucanato foi decisivo para pavimentar a escolha de Valente, com o qual, no passado, foi desavindo, em malquerença superada por conveniências mútuas. Notório desafeto de Neves, contra cuja primeira nomeação se opôs até a undécima hora há quatro anos atrás, Santino é marido e mentor político da desembargadora Nadja Nascimento, ex-presidente do TJ, o Tribunal de Justiça do Pará, e cuja ascensão é a ele debitada, para além dos méritos pessoais da magistrada. Ex-secretário especial de Defesa Social no segundo mandato de Almir Gabriel à frente do governo do Pará, seu prestigio no MPE teria sido decisivo para blindar o ex-governador tucano contra eventuais repercussões diante do massacre de Eldorado do Carajás (Leia aqui), que deixou um rastro de 19 sem-terra mortos no confronto com a Polícia Militar, parte deles com claras evidências de execução. Imprevidente, Almir Gabriel, consultado, autorizou o uso da força policial para desobstruir a rodovia BR-155, em uma operação implementada desastradamente e de cujas sinistras consequências o ex-governador fugiu, cabendo ao secretário de Segurança Pública, Paulo Sette Câmara, assumir o ônus pelo ocorrido.

A tarefa de Santino foi certamente facilitada, também, pelo sólido currículo de Gilberto Valente Martins, consensualmente reconhecido como um promotor de Justiça atuante, que exibe a virtude de somar competência e probidade. Ele teve destaca atuação como conselheiro do CNJ, o Conselho Nacional de Justiça, para o qual foi eleito com 87% dos votos.

8 comentários :

Anônimo disse...

Além de detentor de um excelente curriculum, o novo procurador-geral de justiça, é também educado, bonito e elegante. Até nisso o MPE saiu ganhando nessas eleições.

Anônimo disse...

Resumo: Gilberto é o primeiro Promotor nomeado para o cargo de PGJ por escolha de um Procurador. Eleição foi uma encenação. Governador e Procuradores apontaram aos promotores seu devido lugar: soldados rasos

Anônimo disse...

Gilberto Martins sempre foi Membro atuante e probo no Ministério Público do Estado do Pará, tem larga experiência para lidar com o poder que o cargo PGJ impõe, não se comporta como cortesão, e sim seu histórico mostra imparcialidade e legitimidade nas decisões. Parabéns ao Excelentíssimo Promotor de Justiça que escreve mais uma vez o seu nome na história do Parquet do estado Pará, o qual foi o primeiro Membro do MP a integrar o CNJ e agora será o primeiro Promotor de Justiça a assumir o Cargo de Procurador Geral de Justiça. Parabéns Exmº. Sr. Promotor de Justiça Gilberto Valente, que Deus o Inspire na administração de mais esta função e no exercício do Cargo de PGJ.

Anônimo disse...

Parabéns Dr. Gilberto. Confio no senhor. Tenho certeza que o senhor irá resgatar a credibilidade da sociedade no MPPA, com uma gestão proba, ética.

Anônimo disse...

23:51, quanto choro. Irás precisar de muitas caixas de lenço para enxugar tuas lágrimas pelas benesses que serão tiradas de ti.
Não estás aborrecido com a escolha do governador, por achares que ele desprestigiou a categoria. Estás desesperado porque irás perder mordomias.
Aceita que doi menos.

Anônimo disse...

É vergonhosa a reação das viúvas e órfãos do poder. Ataque! Ataque! Ataque!
Deixem o Dr. Gilberto sentar na cadeira de PGJ e ai veremos o que ele vai fazer. Deem a ele a chance de mostrar o trabalho dele. Depois julguem. Apontem os erros e irregularidades, mas não façam previsões futuristas.
O atual PGJ era uma grande promessa de gestão, mas com ele foram feitas várias criticas a atuação dele e o MP não saía da mídia negativa.

Anônimo disse...

Hoje o Mp do Pará só tem dois agentes com estatura moral e coragem que enfrentam as mazelas sociais: Dr medrado e dr armando brasil. O resto é frouxo! Espero que o Dr Gilberto mude esse lamentável quadro!

Anônimo disse...

A pergunta que não quer calar: qual é o custo da nomeação sem vitória na eleição? é que apesar do currículo recheado de nomeações não foi suficiente para obter a aprovação de seus pares a derrota nas urnas foi grande, ficou claro que existe significativa rejeição junto ao eleitorado do MP. o que se dá como certo é ele é o candidato dos Procuradores,que ficaram, em sua maioria, insatisfeitos com a eleição de um promotor de justiça para PGJ e que não tiveram representante para realmente "competir" em uma eleição. De qualquer forma, esperamos que o novo PGJ avance e deixe de lado as alianças que não conseguiram elege-lo mas que o colocaram no poder e faça jus ao cargo que foi lhe foi concedido pelo governador.