quarta-feira, 8 de março de 2017

MPE – Fim de caso?

Gil Henrique Mendonça Farias, o namorado de Mariana Silva Neves,...
...a filha de Marcos Antônio Neves, exonerado a pedido, oficialmente.

Assessor da Procuradoria-Geral de Justiça, Gil Henrique Mendonça Farias foi exonerado, formalmente, a pedido, pelo procurador-geral de Justiça, Marcos Antônio Ferreira das Neves, também conhecido como Napoleão de Hospício, por seu mandonismo e parcos pudores éticos. Órfão de predicados intelectuais para o exercício do cargo, Gil Henrique Mendonça Farias - por duas vezes reprovado em concursos públicos para o Ministério Público Estadual -, exibia como principal cacife ser namorado da filha de Neves, Mariana Silva Neves, devidamente abrigada em uma sinecura no TCE, o Tribunal de Contas do Estado do Pará, após perambular pela Prefeitura de Ananindeua, depois da eleição do prefeito tucano Manoel Pioneiro, em 2012.

Empossado a 9 de maio último, exatos 15 dias depois de aboletar-se formalmente no cargo, Neves nomeou Gil Henrique Mendonça Farias, em 24 de maio, assessor de procurador-geral de Justiça, embolsando uma remuneração mensal de pelo menos R$ 16 mil, na época. A inesperada exoneração suscitou especulações sobre o eventual término do namoro de Gil Henrique Mendonça Farias com Mariana Silva Neves, embora não faltem apostas de que o jovem mancebo possa ter garantido uma nova e mais aprazível sinecura.

9 comentários :

Anônimo disse...

http://www.ma10.com.br/clodoaldocorrea/2017/02/nomeados-mais-10-defensores-publicos-aumentando-acesso-a-justica-no-ma/

Vocês falam demais.

Anônimo disse...

Sera um pessimo defensor kkkkkk

Anônimo disse...

O cara calou a boca de vocês. hahahahaha

Anônimo disse...

Nao calou nao . no mp ele foi encostado nao teve competenia igual a vc kkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Um dia houve a Província do Grão Pará e Maranhão com relações íntimas no comércio e na política. Época de conchavos e coronéis. Com a nomeação de Gil Farias a defensoria do Maranhão perde e o Pará ganha. Ganha porque sai um parasita do MPE que passou anos sob a "proteção" do sogro, por não ter tido a competência devida para ingressar na instituição via concurso público. Por isso, duvido da seriedade do certame maranhense a defensoria pública. Até onde não houve a influência de Marcos Antônio das Neves junto à chefia da defensoria maranhense? Foi mérito ou conchavo na Província do Grão Pará e Maranhão? Talvez, nunca saberemos, mas uma certeza temos a de que um oportunista e mercenário agora será defensor público, cargo que exige pessoas idôneas e justas.

Anônimo disse...

Putz sinceridade pura

Anônimo disse...

Me parece inveja e dor de cotovelo. kkkkkk

Anônimo disse...

NUNCA OUVI TANTA BABOSEIRA! A CABEÇA DE VCS É FASCINANTE, INVENTAM CADA COISA.

CONCORDO COM O COMENTÁRIO DE QUE O CARA CALOU A BOCA DE VCS.

DUVIDAR DA APROVAÇÃO DO CARA E DA CREDIBILIDADE DO CONCURSO É ALGO RIDÍCULO. MAS, ENFIM, É COMPREENSÍVEL, CONSIDERANDO QUE O BRASILEIRO JULGA SEM CONHECER E FALA SEM PENSAR.

Anônimo disse...

Tens tanta competência que nem sabes escrever corretamente. Tens tanta competência que subscreve como anônimo para não podermos saber se, de fato, és melhor que o cara. hahahahahaha